sábado, 10 de novembro de 2007

Causa & Efeito

Chegas de taxi… pagas ao taxista com a soberba e classe típicas de ti.
Digo típicas mas é a primeira vez que te vejo.
É a primeira vez que te vejo mas sinto que já te conheço.
E olhas-me de cima abaixo… a avaliar quem ao longe já te tirou todas as medidas. E as minhas entranhas tremem num trejeito algo inédito… Não que nunca tivesse acontecido mas já tinha esquecido o que uma mulher como tu fazia ao meu corpo. Já me esquecia do que era ter alguém tatuado na mente. Ali mesmo, projectado no hiato existente entre a retina e o meu cérebro. Um fantasma de presença corpórea feito de imaginação e um punhado de ideias pré-concebidas.
Assim sendo sei quem és porque à volta da pessoa que vi desenhei uma personalidade condizente. Uma mulher mais inteligente que eu… com gostos semelhantes mas muito mais requintados. Com ódios muito parecidos mas mil vezes mais intensos e justificados. Uma mulher com que pareço bem mas que deixo parecer mal junto de mim. Pois a tua classe e toque são bem mais apurados e filigranados que a minha forma bruta de passar mais um dia.
E sei que me vais trazer problemas… Sei que vais ser uma dor de cabeça das grandes. Vais-me consumir aos bocadinhos… Vou-me afogar na ilusão do teu amor… Vou sofrer como nunca antes sofri.
Mas se quisesse uma vida pacata não tinha marcado este encontro contigo…

(escrito dia 2 de Outubro de 2007)

3 comentários:

hybrid disse...

So posso dizer uma coisa : WAOUHHH!!!!!!!!

mokas disse...

Eish! Jasus! Temos alguem apaixonado! =P E nao me contas nada... humpf! =P brincadeirinha!
Beijinho ao N_! ;)

Lídia Amorim disse...

be delicious*

bjokitas